Transporte sustentável: aposte no fretamento

8 minutos

Em tempos de preocupação com mobilidade urbana e meio-ambiente, a sua escolha pelo modo como irá se locomover é fundamental. Optar por um meio de transporte sustentável e ideal também deve passar por uma análise criteriosa do impacto ambiental e urbano do veículo.

Vamos pegar os carros, por exemplo, para uma análise rápida. Em São Paulo, eles são responsáveis por 97 por cento de todas as emissões de CO2 na atmosfera da cidade.

Em números absolutos, a capital paulista possui 7,4 veículos motorizados para cada 10 habitantes, de acordo com pesquisa divulgada pela Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) – são 8,6 milhões de carros, motos, ônibus ou caminhões.

Abaixo, vamos enumerar todos estes meios de transporte e mostrar os prós e contras de serem utilizados nas cidades.

Qual o meio de transporte com menor impacto ambiental?

Carro

Considerados por muitos especialistas como o vilão da mobilidade urbana,  os carros possuem alto impacto ambiental, já que, costumeiramente, é utilizado de modo individual nas grandes cidades. Quer um exemplo de como o carro atrapalha a mobilidade urbana? É só notar que todo congestionamento, em sua maioria, é formado por carros.

Bicicleta/a pé

Falamos do vilão, mas agora vamos falar do mocinho. Para quem está disposto a se locomover em centros urbanos, e ainda se exercitar, estes dois meios é a aposta. Não possuem impacto nenhum e são altamente sustentáveis.

Entretanto, como já falamos em nesse texto sobre os custos de cada meio de transporte, andar de bicicleta ou a pé pela cidade é, muitas vezes, inviável.

Transporte público

Possuem baixo impacto ambiental, por transportarem um número elevado de pessoas em um mesmo veículo. Um transporte público de qualidade é garantia de qualidade de vida em qualquer cidade do mundo.

Mas se você valoriza o conforto, pode sofrer um pouco com essa opção no Brasil, infelizmente.

Aplicativos/táxi

Ao contrário do que muitos pensam, possuem elevado impacto ambiental e urbano. Um dos principais problemas é o seu uso frequente em pequenos trajetos, ocasionando alto impacto nas cidades.

Por isso, não se deixe enganar pelo fato de que esses carros transportam várias pessoas ao longo do dia, porque o fazem individualmente.

Carona

Essa opção fica entre o carro individual e o transporte público, e é considerada com impacto ambiental e urbano médios. Afinal, a utilização de carro compartilhado entre pessoas não é tão eficiente quanto ao transporte coletivo, por exemplo.

Por isso, é uma opção que pode valer a pena quando você considera outros fatores, como o tempo de locomoção.

Moto

Também considerado um veículo de impacto médio. São considerados transportes individuais, e com relação ao impacto ambiental, são transportes relativamente sustentáveis.

Por outro lado, o alto número de acidentes impacta diretamente na mobilidade urbana de uma cidade. E também não é uma opção segura.

Fretado

Possui baixo impacto ambiental e urbano. Para você ter uma ideia, um fretado retira, em média, 21 carros das ruas. Isso gera um impacto direto na emissão de poluentes e no tráfego dos municípios.

“Mas essa eficiência é igual à do transporte público”, você pode questionar. Não é bem assim! Por serem veículos novos, o consumo de combustível é mais eficiente. Além disso, com rotas otimizadas, o trajeto também é reduzido.

Neste mesmo blog, já falamos também sobre como economizar com transporte é uma opção que poucas pessoas consideram, mas é muito boa! Vale a pena dar uma conferida.

Fique ligado em nosso blog! Você ainda pode baixar gratuitamente nosso guia para escolher o melhor meio de transporte!

​ ​

Escreva um comentário

Não há comentários

Ainda não há nenhum comentário neste post.

​ ​

Inscreva-se no blog